• Autor Adolfo Coelho
  • Ilustrador Soraia Oliveira
  • Coleção Pé de Pato
  • ISBN 9789897077029
  • PVP 8,79 € (IVA incluído)
  • preço fixo até fim de novembro de 2019
  • 1ª Edição junho de 2018
  • Edição atual 1.ª
  • Páginas 64
  • Apresentação capa mole
  • Dimensões 130 x 198 x 5 mm
  • Idade 8+

Contos populares portugueses para reler várias vezes.

Adolfo Coelho foi o autor da primeira recolha de Contos Populares Portugueses (1879), da qual selecionámos os contos deste livro: História da Carochinha, O Rabo do Gato, O Pinto Borrachudo, O Príncipe com Orelhas de Burro, O Coelhinho Branco, O Galo e o Pinto e O Príncipe Sapo.

Inclui os contos de leitura obrigatória no 2.º ano.

Ficam assim reunidos pequenos tesouros do nosso património cultural, que têm encantado sucessivas gerações de leitores. Soraia O., com o seu traço delicado e quase mágico, acrescenta modernidade e beleza a estes contos clássicos da nossa literatura popular.

 

Soraia Oliveira nasceu em 1992 e é natural da Cidade da Maia. Em 2013, licenciou-se em Design Gráfico pelo Instituto Politécnico do Cávado e do Ave, onde teve o primeiro contacto com a ilustração. Em 2016, terminou o mestrado em Ilustração e Animação no mesmo instituto e investigou métodos de ilustração colaborativa. Atualmente, desenvolve desenhos para vestuário e colabora em diferentes projetos de design gráfico e ilustração.

Adolfo Coelho é personalidade fundamental no desenvolvimento da etnografia e antropologia em Portugal, Adolfo Coelho (1847-1919) foi pedagogo, etnógrafo, historiador, crítico literário e professor no Curso Superior de Letras. Privilegiando o estudo da literatura e tradições populares, organizou aquela que foi a primeira recolha sistemática de contos tradicionais, Os Contos Populares Portugueses (1879), e a primeira recolha de literatura e tradições infantis, Jogos e Rimas Infantis (1883).

Em 1871, participou nas célebres Conferências do Casino, enquanto destacado membro da famosa Geração de 70. As suas conceções pedagógicas assentavam na convicção de que através da educação seria possível regenerar o país. O seu espírito curioso e científico e a sua adesão ao pensamento reformista oitocentista português, fizeram da sua vasta obra uma verdadeira arca de tesouros da cultura portuguesa.